Instagram
Voltar

NOTÍCAS / COLUNAS / ENTREVISTAS

MAIS COLUNAS

Anterior Próxima

Adrenalina e liberdade sobre a água

04/10/2012 -

Por Christiane Alves

Se você achou que andar sobre as águas era privilégio de seres especiais, se enganou. O mortal e wakeboarder brasiliense Felipe Miyamoto, 29 anos, é a nova estrela do mar da Nicoboco e anda fazendo muitas proezas. O atleta fechou com a marca no inicio deste ano e a parceria promete render bons frutos tanto para o atleta quanto para a marca brasileira de roupas e acessórios.


Miyamoto se apaixonou rapidamente por wakeboard. Começou a praticar aos 19 anos e aos 22 já era profissional. “Sinto como se caminhasse sobre a água”, conta. Seu primeiro contato com o esporte foi por meio de amigos, mas logo a paixão despontou levando-o a diversas vitórias. Foi campeão sul-americano na categoria Open em 2004, vice-campeão brasileiro em 2006, e em 2010 venceu o campeonato brasiliense. Para isso, o treinamento do atleta é pesado na terra e na água. Veja o que contou o wakeborder em entrevista ao Estrela Náutica:

Estrela Náutica - Como surgiu o wakeboard?
Felipe Miyamoto - O esporte surgiu nos EUA há uns 20 anos. Os surfistas começaram a surfar atrás dos barcos quando o mar estava sem ondas e perceberam que poderiam saltar e realizar manobras usando a marola do barco. Aí surgiram os primeiro pulos. O esporte foi se desenvolvendo com o tempo, as pranchas foram sendo aprimoradas, ficaram menores. Primeiro, apresentaram presilhas para os pés; depois vieram as botas. Hoje, ele consiste em um atleta puxado por um barco que usa a marola como rampa para realizar mortais, rotações e grabs.

Estrela Náutica - E você, como se envolveu com o esporte?
Miyamoto - Eu pratico há nove anos. Sempre assistia a apresentações e competições pela televisão, já gostava. Quando fiz uma viagem para Angra dos Reis (RJ) vi meu primo “andando” e tive a oportunidade de “andar” com ele. Ele já competia e “andava” muito bem. Viciei no esporte ali mesmo. Quando voltei para Brasília encontrei uns amigos que também “andavam” e comecei a praticar.

Estrela Náutica - Quais as melhores águas para a prática do esporte?
Miyamoto - Já participei de competições por todo Brasil, e até mesmo na Austrália. Gosto muito de praticar aqui em Brasília no Lago Paranoá, é uma água muito limpa e bem calma. Mas com um país da grandeza do nosso temos muitos lugares excelentes, como Igaratá (SP), Lagoa do Colosso (CE), Jaguariúna (SP), Avaré (SP), Rio Guaíba (RS), Lago do Tarumã (AM), entre muitos outros.

Estrela Náutica - Qual a sensação que você tem quando está realizando as manobras?
Miyamoto - A sensação é inexplicável. Sinto como se caminhasse sobre a água. Uma sensação de adrenalina e liberdade muito grande.

Estrela Náutica - Vale uma rotina pesada de treinos? Como você se prepara para as competições?
Miyamoto - Claro que vale. Pela manhã faço um treino na cama elástica, simulando manobras que desejo realizar na água, depois vou para água fazer o treino específico. À tarde, dou aulas e se houver tempo faço mais um treino na água. Depois vou para academia fazer o trabalho de fortalecimento e preparação física. O praticante precisa ser dedicado, persistente e cuidar bem da saúde assim como qualquer outro atleta.

Estrela Náutica - E os riscos? Você já passou por alguma situação crítica?
Miyamoto - Com certeza! O atleta profissional de wakeboard vive em constante risco, pois é um esporte radical. Estou sujeito a lesões em todos os momentos e tentando sempre superar meus limites. Há risco de torção nos joelhos, nos ombros e em outras articulações; de bater forte com a cabeça na água etc.

Estrela Náutica - Então, wakeboard não é indicado como lazer para as pessoas em geral?
Miyamoto - É, sim. Qualquer pessoa pode praticar como lazer, é bem seguro pois a própria pessoa pode dosar o risco. E, também, pode ser praticado em vários lugares, desde que a água seja calma e de boa profundidade.

Estrela Náutica - Existe uma idade mínima para se aventurar nas primeiras “andadas”?
Miyamoto - Conheço pessoas que colocaram os filhos para “andar” com 5 anos. Basta a criança não ter medo de água e se entusiasmar com o esporte.

Estrela Náutica - Você não acha que o avançar da idade pode limitar a prática?
Miyamoto - Não. Isso é uma coisa que costumo falar quando me perguntam até quando vou andar de wake. Eu respondo que vou andar até o dia em que não conseguir mais ficar em pé. Conheço pessoas com mais de 60 anos que praticam sem nenhum problema. Para praticar como lazer não precisa ser um atleta, basta ser uma pessoa saudável.

Estrela Náutica - É preciso investir muito em equipamentos?
Miyamoto - Não, para a prática do esporte é essencial o colete salva-vidas e uma prancha bem parecida com a prancha de snowboard, que tem os lados simétricos.

Estrela Náutica - Por onde um iniciante deve começar? Quais suas dicas?
Miyamoto - A melhor forma de começar é procurar uma escola de wakeboard. Caso não encontre uma perto da sua cidade, assista alguns vídeos pela internet e pratique com os amigos. Minha melhor dica é: divirta-se. 


Pagamento

Pagseguro UOL

Desenvolvimento

Desenvolvido por BR Web Design

ESTRELA NÁUTICA - Todos os direitos reservados

No Estrela Náutica, você vende ou compra a sua embarcação e tem acesso a um universo de informação, com fotos e vídeos das mais belas imagens. A seção Guia de Empresas traz os nomes do mercado que fornecem serviços, acessórios e produtos. Em Notícias, você encontra tudo sobre o mercado e a indústria náutica. Já em Esportes Náuticos, aprecie as modalidades mais praticadas e seus campeonatos principais. Novidades e eventos do ramo estão em Fique por Dentro. Na seção Colunas, entrevistas com profissionais do setor e entusiastas, que expõem seus conhecimentos e compartilham dicas excelentes. E para os marinheiros, de primeira viagem ou mais experientes, vale a pena conferir o Manual do Navegante.

O portal também proporciona a experiência de conhecer locais incríveis para navegar pelo Brasil. Com apenas alguns cliques na seção Onde Navegar, você ganha mais intimidade com os melhores pontos turísticos do País e seus estabelecimentos de qualidade.