Instagram
Voltar

NOTÍCAS / COLUNAS / ENTREVISTAS

Getulio Neto Fonte: Marcellus Guedes Maia
  • Naufrágio Tocantins - Queimada Grande Fonte: Marcellus Guedes Maia
  • Naufrágio Tocantins - Queimada Grande Fonte: Marcellus Guedes Maia
  • Queimada Grande Fonte: Marcellus Guedes Maia
  • Queimada Grande Fonte: Marcellus Guedes Maia
  • Tartaruga de pente - Queimada Grande Fonte: Marcellus Guedes Maia

MAIS COLUNAS

Anterior Próxima

Mergulhar é quase um exercício de meditação

17/10/2012 -
Por Christiane Alves

Uma paz insuperável, esta é a sensação descrita pelo engenheiro de computação e paulistano, Getulio Correia das Neves Neto
, 24 anos, ao falar do que sente quando está nas profundezas do mar. Equipamento pesado, mangueiras, cilindros de ar, reguladores, máscara, tudo parece fazer parte do próprio corpo. Nada pesa, nada atrapalha. Além disso, há a beleza e as peculiaridades do mundo submarino, ainda bastante desconhecido. A curiosidade por esse universo e um empurrãozinho do pai fizeram com que o jovem resolvesse cair na água. Atualmente, possui a certificação de Divemaster (PADI 311091) e pratica constantemente, com muito prazer, aos fins de semana em Paraty, no Rio de Janeiro. Ele dividiu com o Estrela Náutica os caminhos e segredos de sua maior paixão. Leia a seguir:

Estrela Náutica - Você sempre gostou de mergulhar ou é uma paixão recente?
Getulio Neto - Pratico há apenas dois anos. Iniciei pelas mãos do meu pai que me convidou para fazer o curso básico com ele, só para ser a sua dupla. Fazíamos snorkeling (prática esportiva de mergulho em águas rasas) e meu pai sempre teve vontade de fazer o mergulho autônomo (mergulho com auxílio de equipamento de respiração). Acabei fazendo o curso, me apaixonando e levando adiante.

Estrela Náutica -
O que mais atrai você na prática de mergulho?
Neto - A sensação de tranquilidade e paz e a possibilidade de apreciar coisas que da superfície nem fazemos ideia de que estejam lá. É um mundo muito diferente do "nosso”, o terrestre. Vejo o mergulho como se fosse meditação: ter atenção sobre a respiração, relaxar, e com isso conseguir controlar todo o meu corpo e ter a sensação de paz, bem-estar e calma para apreciar esse mundo submerso. Momentos como esses não temos no dia a dia. Debaixo d'água não há pessoas chamando você, não há barulho de carros, correria, estresse. É só você e o mar.

Estrela Náutica -
Você pratica mais como instrutor, turista, apreciador das belezas do mar ou competidor?
Neto - Sou um apreciador das belezas do mar. Ou, melhor, acredito que todos nós mergulhadores somos "turistas, apreciadores das belezas do mar”, buscando sempre novos locais e pontos de mergulho. Na modalidade de mergulho autônomo não temos competições. As competições existem no mergulho livre, com apneia, no qual o scuba (cilindro de mergulho para respiração subaquática) não é utilizado.

Estrela Náutica -
Qual o lugar mais bonito em que você mergulhou?
Neto - Ainda não tive oportunidade de mergulhar nos melhores pontos do Brasil, como Fernando de Noronha e Abrolhos, entre tantos outros no nordeste. Mas dos pontos de São Paulo e Rio de Janeiro, onde sempre mergulho, os que mais me impressionaram pela beleza foram Calhaus e a Laje de Santos, onde tínhamos visibilidade de mais de 20 metros. A água estava espetacular e com muita vida.

Estrela Náutica -
Quais lugares você indicaria para mergulho?
Neto - Nacionais, sem dúvida, Noronha e Abrolhos. No sudeste, no estado de São Paulo, Laje de Santos, Calhaus, Ilha Vitória, Ubatuba. No Rio de Janeiro, Paraty, Baía de Ilha Grande — Parcel do Coronel, Gruta do Acaiá e naufrágio Pinguino. Destinos internacionais: Caribe em geral (Bonaire, Aruba, Bahamas, Cuba, Dominica, República Dominicana, Curaçao); Cozumel, no México; e, também, algumas cavernas na Florida.

Estrela Náutica -
Como é o apoio ao esporte no Brasil? 
Neto - Temos a presença das maiores certificadoras de mergulho no País e muitos pontos turísticos para a prática, mas poderíamos ter mais áreas de preservação e parques nacionais marinhos voltados para o turismo de mergulho. Temos o parque Nacional dos Abrolhos, Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, Parque Estadual Marinho da Laje de Santos. Poderíamos ter muitas outras áreas de preservação autossustentáveis com o turismo de mergulho. Existem mais parques marinhos e áreas de preservação onde o turismo de mergulho é mais forte.

Estrela Náutica -
Mergulhar em mar aberto não é muito perigoso?
Neto - O mergulho autônomo em águas abertas ao contrário do que muitos imaginam é um dos esportes mais seguros do mundo. Cada certificadora de mergulho tem as suas regras, mas entre si todas são muito parecidas. Se essas regras forem seguidas, o risco de algo dar errado é muito baixo. Existem várias modalidades de mergulho e, para cada uma delas, um treinamento específico e diferentes níveis. O mergulho em cavernas e em naufrágios, que são ambientes com teto, por exemplo, requerem treinamento específico.

Estrela Náutica -
É possível praticar o esporte sem ter feito um curso?
Neto - É necessário ser certificado pelo menos no curso básico para poder praticar o mergulho autônomo. Quem não tem certificação, ou seja, não passou por um curso ainda, e quer experimentar com o equipamento scuba temos o Discovery Scuba Dive que consiste em um mergulho acompanhado de um instrutor/divemaster. Os passos são: respeitar o standards (regras) de sua credenciadora, ter referências da escola/operadora para que você tenha uma boa instrução, e levar com afinco a prática buscando evoluir sempre.

Estrela Náutica -
Quais os equipamentos essenciais para o mergulho?
Neto - Máscara, nadadeira, snorkel, roupa de neoprene, cinto de lastro, colete equilibrador, cilindro de ar comprimido, regulador, manômetro e profundímetro.

Estrela Náutica -
Quais as modalidades de mergulho?
Neto - Existem as modalidades de mergulho autônomo e mergulho técnico, sendo que o mergulho técnico possui outras vertentes. Algumas delas são: mergulho em cavernas, em minas, naufrágios, sidemount (com cilindros presos ao lado do corpo) e rebreather (com aparelho que possibilita que o mergulhador inspire novamente o gás expirado). Para ser um mergulhador técnico você previamente deve ser mergulhador autônomo e ter total controle de suas habilidades. A diferença de um mergulhador técnico para o autônomo é que no mergulho técnico utilizam-se misturas de gases diferentes, maior quantidade de cilindros, e os mergulhos são mais fundos, exigindo paradas descompressivas. Para cada modalidade é necessário treinamento específico.

Estrela Náutica -
Quais as suas modalidades preferidas?
Neto - Particularmente, estou caminhando para o mergulho técnico, pois, como um instrutor me dizia, o mergulho técnico é um meio para um fim e não um fim para o meio, ou seja, quando você precisa ir mais fundo e ficar mais tempo no fundo, o mergulho técnico é o caminho a seguir. Acho muito legal mergulhar em naufrágios e saber sua história. Eu gosto muito de cavernas e pretendo fazer o treinamento para este tipo de mergulho.



Pagamento

Pagseguro UOL

Desenvolvimento

Desenvolvido por BR Web Design

ESTRELA NÁUTICA - Todos os direitos reservados

No Estrela Náutica, você vende ou compra a sua embarcação e tem acesso a um universo de informação, com fotos e vídeos das mais belas imagens. A seção Guia de Empresas traz os nomes do mercado que fornecem serviços, acessórios e produtos. Em Notícias, você encontra tudo sobre o mercado e a indústria náutica. Já em Esportes Náuticos, aprecie as modalidades mais praticadas e seus campeonatos principais. Novidades e eventos do ramo estão em Fique por Dentro. Na seção Colunas, entrevistas com profissionais do setor e entusiastas, que expõem seus conhecimentos e compartilham dicas excelentes. E para os marinheiros, de primeira viagem ou mais experientes, vale a pena conferir o Manual do Navegante.

O portal também proporciona a experiência de conhecer locais incríveis para navegar pelo Brasil. Com apenas alguns cliques na seção Onde Navegar, você ganha mais intimidade com os melhores pontos turísticos do País e seus estabelecimentos de qualidade.