Instagram
Voltar

NOTÍCAS / NOTÍCIAS / FIQUE POR DENTRO

Fonte: Gilmar Domingos de Oliveira
  • Fonte: Gilmar Domingos de Oliveira
  • Fonte: Gilmar Domingos de Oliveira

MAIS FIQUE POR DENTRO

Anterior Próxima

Circuito Va´a Brasil 2014 de Canoagem Havaiana

27/05/2014 -
Um esporte que não é tão divulgado, mas tem uma beleza encantadora em todos os sentidos. Estamos falando da Canoagem Havaiana, praticada por mulheres de todo o Brasil. 

Há um circuito brasileiro, o qual as mulheres disputam, o Circruito Va´a Brasil. Para que entendam tudo sobre esse esporte, disponibilizamos para vocês, navegantes, o texto escrito por quem realmente entende do assunto: As Mulheres da Água. 

Confiram:

Os dias 5 e 6 de abril abriram o Circuito Va´a Brasil 2014 com muito sol e a presença garantida de remadoras da elite da canoa havaiana brasileira, disputando nas categorias iniciante e open. As equipes vieram de várias partes do Brasil para competir o circuito que conta pontos para o brasileiro de va´a e também serve para os treinos com foco no mundial de va´a de velocidade, que acontecerá no Rio de Janeiro de 12 a 17 de agosto.

O primeiro dia de competição na categoria iniciante feminino OC6, canoa havaiana de 6 lugares, foi marcado por uma alteração de raia que em princípio teria como largada a Praia do Gonzaguinha em São Vicente seguindo rumo à baia de Santos, passando pelo lendário Porta do Sol, local onde encontra-se uma laje que forma uma onda bastante conhecida na região. A raia para a categoria iniciante foi então alterada tendo sua primeira boia de contorno na região do portinho após a passagem das pontes Pênsil e do Mar Pequeno, no município de Praia Grande. Uma região de paisagens belíssimas e águas abrigadas, mas que por conta de troca de maré e um pouco de vento, fez com que as remadoras utilizassem força e técnica para navegar junto de embarcações à motor que em algumas passagens, geravam ondas e, em alguns momentos acabavam por desequilibrar a embarcação, tendo sua segunda boia de contorno localizada próxima ao Ilha Porchat, que em seu trajeto também tinham a passagem próxima ao Porta do Sol, local muito conhecido pelos frequentadores locais por se tratar de uma laje onde é possível surfar e por ser também o local de entrada de ondulação rumo às praias de São Vicente, gerando um forte movimento de corrente que poderia com facilidade alterar o rumo da embarcação, exigindo maior esforço por parte das remadoras.

As equipes iniciantes apresentaram uma boa performance, mantendo um equilíbrio na disputa e, mesmo tendo algumas tripulações com pouca experiência em raia, mostraram que tem sede de vitória e buscando o melhor, mostraram que são capazes de remar de igual para igual com tripulações mais experientes.
Na categoria Open, por conta da melhora de condição do mar, a prova seguiu sua programação normal onde seriam percorridos os 20 km entre São Vicente e Praia Grande. Essa prova trouxe muita expectativa para todas as remadoras que em sua grande maioria desejavam uma prova de longa distância ao contrário do que seria previsto por conta das condições anteriores, contornar diversas vezes as mesmas boias, pois existe um grande desgaste e a perda de um tempo precioso nessa manobra por conta da grande área molhada da embarcação, que possui aproximadamente 15mts de comprimento.
Nessa categoria muitos fatores somam-se para um bom resultado, afinal, todas as remadoras se conhecem de muitas outras provas, sabem onde podem tirar uma fração de vantagem e mais do que ninguém, sabem que uma boa largada é capaz de deixar as adversárias com a estrutura emocional abalada. Se uma tripulação for capaz de manter a mesma cadência de remada dada numa boa largada, as chances de vitória certamente serão grandes, mas existem muitas outras estratégias e numa prova de longa distância, o equilíbrio desses fatores pode se transformar na grande vitória.

Era cedo e o sol seguia forte quando as equipes receberam o tiro de largada, que exigiu além da força uma rápida leitura das decisões de manobra uma vez que uma navegada mais aberta poderia oferecer certa resistência na primeira perna e, considerando que seus quase 15 metros de área ofereciam uma carga considerável de força para manobras com o objetivo de se destacar do grupo de pouco mais de 5 canoas que disputavam ferrenhamente um espaço dentro daquela raia. Após as estratégias tomadas e pouco mais de uma hora de remada, as equipes open já haviam contornado a boia de retorno e da areia já era possível ver ao longe um pequeno ponto na imensidão azul o que minutos mais tarde seria a tripulação campeã, a equipe Matero, mas que não muito distante o 2º lugar, com a equipe Mana Brasil, e tripulações equilibradíssimas numa disputa proa a proa entre os 3º, a equipe Kimi, 4º com a equipe Vitória Va´a e o 5º lugar com a equipe Hoa Aloha de Niterói.

Para quem ainda não está familiarizada com o esporte, Va´a e a definição para as canoas que, na polinésia são tratadas como parte da família.

No Brasil as embarcações variam entre 1, 2, 4 e 6 lugares e, segundo os polinésios, possuem alma própria, as embarcações mais tradicionais, as OC6, também chamadas por Outrigger Canoe ou Ocean Canoe, têm sua tripulação composta por 6 remadoras, que são distribuídas por toda a canoa seguindo uma ordem de função. As posições são distribuídas pela posição dos bancos, assim chamados por, banco 1, 2, 3, 4, 5 e leme, o banco de número 6.

O banco 1 é o voga, responsável por ditar se o ritmo da remada será curta ou longa, o banco 2 multiplica a informação do ritmo para as remadoras do banco 4 e para a remadora do banco 6, o leme, e também vigia o iako dianteiro, iako é um braço que liga o casco da embarcação à Ama que é um segundo casco que ajuda a estabilizar a embarcação. A remadora do banco 3 é a responsável por contar o ritmo e, a cada 20 ou 25 remadas puxa o grupo com o Hip-Ho em coro que determina a troca de lado da remada e identifica o pique que segue a tripulação, com muita ou pouco energia. O banco 4 é a responsável por vigiar o iako traseiro, controlando a oscilação da canoa, o banco 5 quando necessário tem a função de retirar a água da embarcação e o banco 6 e última remadora, é a responsável pelo leme que dá a direção da embarcação e é também a responsável por incentivar as outras remadoras nas puxadas de remada.

Um esporte que exige muito foco e trabalho em equipe, Aloha!

Fonte: Mulheres da Água (http://www.mulheresdaagua.blogspot.com.br/)
.

Pagamento

Pagseguro UOL

Desenvolvimento

Desenvolvido por BR Web Design

ESTRELA NÁUTICA - Todos os direitos reservados

No Estrela Náutica, você vende ou compra a sua embarcação e tem acesso a um universo de informação, com fotos e vídeos das mais belas imagens. A seção Guia de Empresas traz os nomes do mercado que fornecem serviços, acessórios e produtos. Em Notícias, você encontra tudo sobre o mercado e a indústria náutica. Já em Esportes Náuticos, aprecie as modalidades mais praticadas e seus campeonatos principais. Novidades e eventos do ramo estão em Fique por Dentro. Na seção Colunas, entrevistas com profissionais do setor e entusiastas, que expõem seus conhecimentos e compartilham dicas excelentes. E para os marinheiros, de primeira viagem ou mais experientes, vale a pena conferir o Manual do Navegante.

O portal também proporciona a experiência de conhecer locais incríveis para navegar pelo Brasil. Com apenas alguns cliques na seção Onde Navegar, você ganha mais intimidade com os melhores pontos turísticos do País e seus estabelecimentos de qualidade.